Bem Estar

Desapega que a vida se encarrega

1 março, 2017

Liberte-se! Livre-se do excesso!

O desapego torna a vida mais leve e abre espaço para o novo. Praticar o desapego nos dá uma sensação muito boa… Sabe aquela hora que percebemos que o armário está cheio de roupas ou sapatos, mas ao mesmo tempo parece que nada fica bom?  Pra mim tem a ver com comprarmos demais e sem muito critério! Ou quando o critério é apenas promoção, afff… entulhamos e não usamos.

O desapego é umas dos mais desafiadores exercícios, mas precisamos praticar! 

8705_10152422299407597_1524785843610640762_n

O apego é uma forma de dependência emocional ou material, causadora de sofrimento e acúmulos desnecessários. Isto é, na verdade, uma prisão emocional. A energia do apego acaba atrapalhando relacionamentos, afastando as pessoas que amamos e sufocando a vida. Mas falando em bens materiais a situação é outra, acaba ocorrendo a necessidade de guardar tudo que ganha, tudo que compra e, sem perceber, a casa vai ficando “entulhada” de energia que não circula. Praticar o desapego em qualquer ambiente de convívio auxilia as energias a fluírem, deixa o local leve, sem contar que doar as coisas não utilizadas é sempre uma ótima opção. Ao ajudarmos o próximo, a energia que circula é a mais pura e verdadeira. OK, você tem coisas legais e não quer simplesmente doar, faça como eu, crie um bazar para amigas!  Ano passado não tive tempo de fazer, mas abril acontecerá a 4a edição e quem ler o post até o fim será convidada!

Mas voltando ao assunto, eu conheço muita gente e também sempre celebro meu aniversário (por isso ganho muitos presentes), e por viajar muito, sempre aproveito as oportunidades de compras de coisas diferentes, boas e baratas (principalmente nos USA).  Mas quando vejo que o armário está apertado e estou usando sempre as mesmas peças, é hora de tomar uma atitude, fazer o bazar, doar, enfim, circular a energia.

Captura de Tela 2017-03-01 às 14.03.20

 

DICAS PARA COLOCAR EM PRATICA JÁ!

Vá ao seu guarda-roupa e observe-o. Se você adora se vestir bem, avalie cada peça. O que você usa realmente? O que só é bonito, mas não lhe cai bem e você nunca usou? Faça uma seleção e doe ou faça um bazar com o que você não usa. Deixe o seu armário mais leve, assim como o seu espírito. Essa organização também é mental, muitas vezes serve como uma sessão de relaxamento;

Já sabemos que nada dessa vida se leva… Mas queremos “ter” coisas na vida, já que estamos vivendo. Isso não é errado, mas tente não fazer disso um objetivo, uma coisa mais importante do que sair para conversar com os amigos, por exemplo. Valorize mais um telefonema amistoso ou uma divertida tarde com a família;

Somos humanas, ok. Por mais que tentemos nos desapegar, há sempre comerciais na televisão, revistas e vários outros apelos de divulgação de roupas, maquiagens, objetos tecnológicos querendo nos seduzir. Podemos ceder à tentação às vezes, mas é bom ser racional. Você tem coisas em casa parecidas com a que estão te oferecendo? Você tem necessidade daquilo? Você vai usar aquilo? O quanto você vai ser feliz e se sentir satisfeita com aquilo? Fazer essas perguntas antes de decidir comprar sempre é importante;

Outros objetos como revistas antigas, materiais e ferramentas guardadas no fundo do armário ou debaixo da cama…Veja se há coisas que você possa doar, que sejam úteis e funcionais a outras pessoas, do contrário jogue fora o que não serve mais, limpe, organize, renove, livre-se!

Não supervalorize o que possui. Tente não dar muita importância ou um valor exagerado aos bens materiais. Se tem um carro maravilhoso que é motivo de orgulho, não precisa ir à padaria todos os dias com ele só para mostrá-lo. Não fique dependente dos símbolos de status e conquistas materiais. Não pense que sem eles você não tem valor. Se você só se sente poderosa de salto alto e só consegue ir a todos os eventos com ele, experimente sair de rasteirinha na próxima vez, tenho feito isso e tem sido libertador, além de muuuito confortável!  Olhe-se e exercite como se sente sem o salto. É preciso entender que dinheiro e bens materiais podem trazer conforto, sentimento de vitória e de conquista, mas não fazem de você uma pessoa melhor. Se coloque no mundo como uma pessoa comum: converse com o porteiro do prédio ou do lugar em que você trabalha

Menos imagem!  Seja menos apegado a sua imagem ou a algum aspecto dela. A obsessão pela aparência física em alguns casos pode estar relacionada a um sentimento de inadequação. Para a pessoa, tudo precisa estar impecável e perfeito, e isso gera muita angústia. Cultivar isso é muito ruim porque você acaba vivendo para os outros, se preocupa apenas com o que eles pensam de você, ao invés de viver a sua própria vida. A juventude passa, as pessoas envelhecem e não seremos para sempre do mesmo jeito. Faz bem investir mais em outros aspectos que não relacionados à beleza. Não somos apenas um corpo. Pense nisso! 😉

Dica de leitura: A mágica da arrumação

unnamed-1

A japonesa Marie Kondo apresenta uma abordagem inovadora para acabar de vez com a bagunça. Ela é a “guru da organização” pois seu método é simples e transformador. Em vez de basear-se em critérios vagos, como “jogue fora tudo o que você não usa há um ano”, ele é fundamentado no sentimento da pessoa por cada objeto que possui.
O ponto principal da técnica é o descarte. Para decidir o que manter e o que jogar fora, você deve segurar os itens um a um e perguntar a si mesmo: “Isso me traz alegria?” Você só deve continuar com algo se a resposta for “sim”.
Pode soar estranho no começo, mas, acredite, é libertador. Você vai descobrir que grande parte da bagunça em sua casa é composta por coisas dispensáveis.
Prático e eficiente, o método propõe transformar não apenas sua casa – ele vai mudar você!

Rodeado apenas do que ama, você se tornará mais feliz e motivado a criar o estilo de vida com que sempre sonhou.

A venda na Saraiva on line por R$ 23,90

 

Se você leu até até o fim, obrigada!  Se puder, faça um comentário se concorda ou expresse sua opinião, é assim que o Blog vai ganhando vida!

Beijos da

ale_logo

 

 

You Might Also Like

20 Comentários

  • Reply ligia 4 março, 2017 at 20:14

    Muito bom esse texto… Aqui em casa funciona assim, entrou uma peça no guarda roupa, uma tem que sair uma também, o que você escreveu é corretíssimo: deixar a energia circular… Bjosss

  • Reply Lene Trierweiler 2 março, 2017 at 20:57

    Muito boa reflexão. Quero alcançar esse comportamento e me “livrar” de muitos pesos, começando pelo armário.
    Valeu Alê !!

    • Reply Alê 5 março, 2017 at 22:58

      Bora lá Lene, pratica e me conta depois! 😉

  • Reply Ellen Paulon 2 março, 2017 at 16:05

    Amei!
    Leveza pra vida, é VIDA!
    Praticando em 3, 2, 1…

  • Reply Cristiana Capodaglio Baldassi 2 março, 2017 at 15:57

    Parabéns minha querida, Alê!
    É sempre importante compartilharmos coisas boas, fazer com outras pessoas enxerguem o que as vezes não conseguem.
    Vc tem prioridade no que diz e com certeza, ajuda muito e suas matérias.
    Beijo grande, de quem te admira, respeita e sente muita saudade.

    • Reply Alê 5 março, 2017 at 22:57

      Muito obrigada Cris! E muitas saudades de você e sua família linda! <3

  • Reply Helena 2 março, 2017 at 14:31

    Ale, parabéns pela reflexão! Praticar o desapego é simplesmente libertador!
    Beijos e obrigada pela dica do livro… já estou providenciando o meu 😉

  • Reply Helena 2 março, 2017 at 14:30

    Ale, parabéns!!! Curti muito!!! o desapego é libertador, vamos praticar!
    Beijos e obrigada pela dica do livro… já estou providenciando o meu 😉

    • Reply Alê 5 março, 2017 at 22:56

      Depois me conta o que achou! 😉

  • Reply Patricia 2 março, 2017 at 13:12

    Tô tentando me organizar para desapegar….super coerente o texto!
    Pra que mesmo fica com o que não usa mais se podemos doar e deixar alguém feliz 😊

  • Reply Edna Costa 2 março, 2017 at 12:17

    Prática o desapego e uma sensação maravilhosa, realmente libertadora, mas pra mim ainda é muito difícil. Sou realnente apegada as minhas coisas, principalmente roupas e sapatos.

    • Reply Alê 5 março, 2017 at 22:55

      Se você gosta e usa, está tudo certo! O problema é acumular demais, não ver o que tem, usar sempre as mesmas coisas e não desapegar! 😉

  • Reply Ana Joyce 2 março, 2017 at 10:09

    Procuro pelo menos uma vez por ano, exercitar o desapego de roupas e outros objetos.
    Sinto que há uma renovação, trazendo uma melhora incrível das boas energias que me movem.

  • Reply Sandra Helena Rodrigues Zimmermann 2 março, 2017 at 10:00

    Tenho exercitado o desapego há anos e me sinto super bem. Amei a dica do livro porque ela fala de algo que faço intuitivamente; reter as peças que, por seus signficados, me fazem mais feliz e deixa ir o que é vazio. Demais! beijos.

    • Reply Alê 5 março, 2017 at 22:54

      Que bom Sandrinha! <3

  • Reply Bell Rocha 2 março, 2017 at 09:15

    Oi Ale
    Belíssima reflexão. Confesso que não sou boa nisso. Vou tentar. Bjos

  • Reply Iago Sampaio 1 março, 2017 at 18:59

    Curti, esses dias fiz uma limpa no guarda-roupa, tirei 2 sacolas de lixo cheias de coisas que n utiliza por um ano, foi libertador e assustador ao mesmo tempo, e realmente estou sentindo minha vida mais leve, e com o guarda-roupa arrumadíssimo, rs.

    • Reply Alê 2 março, 2017 at 07:46

      É isso, mais leveza que deixa a vida simplesmente mais gostosa!

      • Reply Soledade Gomes 2 março, 2017 at 19:09

        Como é bom desfrutar dos teus textos e dicas! Vou tentar colocar em prática , confesso que sou muito apegada e estou precisando treinar o desapego rssss , obrigada querida Alê!

        • Reply Alê 5 março, 2017 at 22:58

          Nossa Solê, você não tem cara de “apegada”! Bora praticar! 😉

    Deixe um comentário